POLÍCIA, ADJETIVO

A Romênia parece ter se tornado a última grande coqueluche do cinema internacional. Filmes como “A leste de Bucareste”, de Corneliu Porumboiu, e “4 meses, 3 semanas e 2 dias”, de Cristian Mugiu, tem alcançado grande repercussão de crítica e algum público -o primeiro ganhou o Camera d´or em Cannes, dado a cineastas estreantes, e o segundo levou a Palma de Ouro no mesmo festival ano passado. Ambos os filmes tratam, principalmente, da questão da autoridade e do quanto ela interfere na vida dos cidadãos comuns. Porumboiu continua sua exploração da questão da autoridade com “Polícia, adjetivo”.

O filme basicamente acompanha o policial Cristi (Dragos Bucur) em uma tocaia de alguns dias para pegar o usuário adolescente de drogas Victor (Radu Costin). Cristi, durante sua missão, questiona se deve ou não prender o jovem, pois a Romênia pós-comunista e ligada à Europa logo deve também adotar o abrandamento das leis sobre drogas, liberalizando o uso. Cristi sabe que a prisão de Victor vai marcá-lo por toda a vida. Mais ainda, Cristi questiona a intenção de seu informante, um outro jovem rapaz, usuário de droga com Victor e outra menina. Estaria o informante interessado em tirar Victor do caminho para ficar com a garota?

Porumboiu faz um casamento perfeito entre estética e roteiro, pois usa de longos planos sequências para mostrar a tocaia de Cristi a Victor, ressaltando o caráter burocrático do trabalho do policial. A câmera está sempre notavelmente estática, fugindo das facilidades da câmera tremida tão em voga hoje em dia, e a adoção radical do plano sequência pode causar certo estranhamento em espectadores mais desavisados, pois os tempos são esticados ao máximo -as vezes, mais do que o necessário.

Pela escolha estética, não é só o trabalho de Cristi que é burocrático; sua vida também é. Recém casado, as cenas domésticas também abusam do plano sequência, mostrando a banalidade da existência do jovem casal, mas introduzindo uma questão que será fundamental para a resolução do filme: a linguagem.

Não à toa, a obra se chama “polícia, adjetivo”, como se estivessemos lendo um dicionário. Cristi é o policial cuja consciência pesa na hora de cumprir seu serviço, pois ele sabe da inutilidade do que está prestes a fazer. Ele sabe das consequências devastadora que seus atos, amparados na seca legalidade, causará àquele jovem. Um longo plano sequência, o penúltimo do filme -e talvez um dos momentos mais geniais do cinema nessa década-, desmonta toda a argumentação de Cristi.

Nele, seu superior pega um dicionário e vai, palavra por palavra, destruindo as ideias de Cristi. O jovem policial tem noção da inutilidade e dos resultados de sua ação, mas não tem o discurso suficiente para expor seu ponto de vista. O dicionário, por sua vez, reduz as palavras -assim como alguns reduzem as leis- às letras secas do que está escrito, destituindo-as de ética e historicidade. O superior arrasa o discurso do subordinado, discurso esse que a platéia do cinema também sabe correto, ainda que confuso, mas que não se sustenta na insuficiência argumentativa de Cristi.

O plano final é outro achado genial. A câmera, que sempre focalizou pessoas, agora focaliza uma lousa, com um mapa desenhado, no qual vários Xs vão marcando as posições dos policiais que irão fazer o quixotesco cerco ao adolescente. A autoridade consegue impor sua lógica vazia ao ser humano, destituindo-o de razão.

É um filme difícil, por vezes bem arrastado, mas trás uma discussão fundamental sobre a autoridade, ainda mais para quem vive em um país como o nosso, tão ansioso por leis que resolvam o mundo, mas que não entende que essa resolução não se dá no âmbito das normas, mas no âmbito do convívio humano. Difícil, mas importante.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s